OS  HOMENAGEADOS

LobAo

Publicado em 01/06/2011

Atualizado janeiro 2020

 

É isso mesmo. O roqueiro LOBÃO, nascido João Luiz Woerdenbag Filho (Rio de Janeiro, 11 de outubro de 1957) e que já havia gravado suas mãos na placa de concreto da RockWALK Brasil®, a “Calçada da Fama do Rock” em 2008, refaz os trabalhos em um clima de muita descontração. O motivo ‘técnico’, segundo os organizadores do projeto, é que o artista teria em sua primeira tentativa, ocupado todo o espaço da placa com um enorme autógrafo, além da impressão de suas mãos, impedindo assim a colocação posterior de uma placa de metal com o nome e demais dados do homenageado, padrão seguido desde o início das captações.

Na época, esse pequeno e fundamental detalhe não teria sido observado pela equipe, um pequeno ‘descuido de percurso’, já que Lobão é até então o número três a participar do projeto, que nessa ocasião conta com cerca de 40 placas finalizadas.

 

Com esse novo procedimento, a placa anterior é então descartada, sendo substituída pela atual.

O reencontro com a equipe RockWALK Brasil® acontece na terça-feira 31 de maio de 2011, ocasião em que, além da placa de concreto especial, Lobão também grava uma mensagem em vídeo para o site da Rockwalk; na primeira oportunidade em 2008, o cantor já teria deixado seu autógrafo na guitarra que integra a coleção do projeto, dispondo atualmente de dezenas de instrumentos que se tornam a cada dia, um grandioso e inestimável patrimônio da história da música brasileira.

 

O sucesso da carreira de Lobão, cantor, compositor, escritor, multi-instrumentista e apresentador, é fruto de seus 14 trabalhos lançados de 1984 a 2007 e inúmeros shows ao vivo por todo o país, além de prêmios importantes como o Grammy Latino na categoria “melhor disco de rock em 2007”.

Sua carreira é marcada por grandes parcerias e sucessos como "Me Chama", canção muito famosa na voz de vários intérpretes, que ficaria em 47ª lugar no ranking, segundo a revista Rolling Stone, entre os maiores hits brasileiros.

Outro grande sucesso de Lobão é "Vida Louca Vida", gravada por Cazuza e que se mantém viva até hoje.

Lobão teria iniciado sua carreira aos dezessete anos, após sair de casa para se tornar músico profissional entrando para a banda Vímana, ao lado de Lulu Santos e RitchieAtuando como baterista, tocaria também com Luiz Melodia, Walter Franco, Gang 90 e as Absurdettes e Marina Lima.

Mas, Lobão conquistaria seu lugar definitivo na história da música brasileira ao assumir as baquetas durante a explosão da Banda Blitz (nome sugerido por ele), ao lado de Evandro Mesquita (voz e guitarra), Fernanda Abreu e Marcia Bulcão (backing vocals), Ricardo Barreto (guitarra), Antônio Pedro Fortuna (baixo) e Billy Forghieri (teclados), mas, deixaria o grupo antes mesmo do grande boom e o primeiro sucesso com “Você não soube me amar”.

Lobão já havia se decidido a sair da Blitz, no entanto, queria ‘abrir caminho’ pra sua carreira solo, e, ao saber que a banda seria entrevistada por uma revista de grande circulação, teria permanecido no grupo apenas até que a foto da Blitz, com ele junto claro, saísse na capa.

E assim, com a tal revista debaixo do braço e a fita de "Cena de Cinema" nas mãos, iria bater à porta da Gravadora, que o contrataria no ato.

A Blitz, inconformada com a história, teria excluído sua foto da capa, e colocado no lugar de Lobão um desenho do ‘Lobo Mau’..

A carreira solo de Lobão estreia com o lançamento de “Cena de Cinema”, em 1982, e na sequencia formaria a banda "Lobão e os Ronaldos".

A próxima década traria nove álbuns de estúdio para a carreira de Lobão, e depois de um flerte com o samba-rock e participações no Hollywood Rock (1990) e no Rock in Rio II (1991) (onde receberia uma vaia histórica), Lobão passa um período fora da mídia, e retorna ao Hollywood Rock em 1996 como convidado de Gilberto Gil.

Suas atitudes polêmicas voltariam a ter evidência em 1999 depois de seu rompimento com as gravadoras e o lançamento de “A Vida É Doce” num esquema inédito, com distribuição pela Internet, bancas de jornais e lojas de departamento. Após o sucesso da vendagem e de crítica com seus discos independentes, lançaria a revista Outracoisa, um novo caminho pelo qual lança bandas e músicos de maneira independente como Cachorro Grande, BNegão, Mombojó e Arnaldo Baptista.

Em 2003 Lobão lançaria a revista cultural "Outracoisa", e em 2010 sua autobiografia “50 Anos a Mil”. Durante esse tempo Lobão também experimenta a TV, apresentando os programas “Saca Rolha”, na PlayTV, e também como apresentador na MTV Brasil.

Em 2012 anuncia um novo livro, “Manifesto do Nada na Terra do Nunca”, lançado no ano seguinte.

Em 2015 publica “Em Busca do Rigor e da Misericórdia - Reflexões de um Ermitão Urbano”, e em 2017 o “Guia Politicamente Incorreto dos Anos 80 pelo Rock”.

Em homenagem aos seus 60 anos, a coluna de Nelson Motta, no Jornal da Globo, em 3 de novembro de 2017, é sobre Lobão, e o colunista afirma que “ele seria um dos maiores compositores da sua geração”.

Lobão é, sem dúvidas, um artista pra lá de polêmico, e suas frases de efeito marcam sua história nas páginas das redes sociais: "A classe média é culpadíssima de seu status social. Vivemos um totalitarismo cultural", e "Meu cérebro não é penico, isso é poluente", (sobre Anitta e Wesley Safadão), teriam sido frases de autoria de Lobão, segundo a Internet.

Mas, a vida de Lobão não é só escrita pelas partituras ou frases polêmicas, afinal, ACABA de sair na mídia uma reportagem que afirma que Lobão, aos 62 anos, teria sido eleito o “Cantor mais sexy do mundo” pela revista de prestígio “Glam’Mag”, em sua edição de fevereiro de 2020, mas já disponível no final de janeiro. E pelo segundo ano seguido (2019 e 2020)!

Segundo essa tal revista, o homem mais conhecido pelos seus álbuns como A Vida É Doce ou Vida Bandida, teria derrotado outros homens tidos como exemplos de beleza, e em apenas alguns minutos o assunto já abala as redes sociais.

Fake News ou não, o fato é que Lobão é notícia ontem, é hoje, e parece que amanhã também.

lobao-web1.jpg

CATEGORIA

‘IN MEMORIAN’

ordem alfabética

André Matos

Antonio Marcos

Banda The Jet Blacks

Big Boy

Bolão e Seus Rockettes

Carlos Alberto Belmont

Carlos Imperial

Cassia Eller

Cazuza

Celly Campello

Chico Science

Dino

Dom & Ravel

Dori Edson

Ed Wilson

Eddy Teddy

Geraldo Brandão

Henrique Bartsch

Itamar Assumpção

Jessé

João Augusto

José Ricardo

Júlio Barroso

Luizinho & seus Dinamites

Mamonas Assassinas

Manito

Marcelo Fromer

Meire Pavão

Mingo

Nora Ney

Paul de Castro

Paulo Henrique

Pedrinho Batera

Pedro Gil

Raul Seixas

Renato Russo

Rodrigo Netto

Rogério Duprat

Ronnie Cord

Rossini Pinto

Sérgio Murilo

Sergio Sampaio

Silvinha Araújo

Teddy Milton

Terry Winter

Tico Terpins

Tim Maia

Torquato Neto

Waldir Anunciação

Wander Taffo

Zé Rodrix