OS  HOMENAGEADOS

Milton  Nascimento

Publicado em 11/06/2010

Atualizado em janeiro 2020

Nascido no Rio de Janeiro no início dos anos 40, o cantor e compositor MILTON NASCIMENTO, o “Bituca”, muda-se ainda criança para Minas Gerais, onde, ao lado de Wagner Tiso, integra o grupo “W’s Boys”. Sua primeira canção “Barulho de trem” seria gravada em 1962.

 

Em Belo Horizonte cursa Economia e toca em bares e clubes noturnos, e logo viriam suas parcerias com os irmãos Borges e outros amigos músicos, e assim estaria formado o lendário “Clube da Esquina”.

Milton Nascimento coleciona sucessos como “Maria, Maria”, “Coração de Estudante” e “Canção da América”, entre tantos outros, cujo estilo musical pode ser classificado como MPB, além de um mix de gêneros como música regional folclórica e bossa nova, com fortes influências de jazz e de grandes expoentes do Rock, como os Beatles e Bob Dylan, além de também dividir os microfones com o Hard-Rock do Angra.

 

Pela autoria e interpretação de belas e inesquecíveis canções, voz suave de afinação primorosa, além de seu total comprometimento com a arte e a música brasileira, Milton Nascimento acaba de ser indicado pelo Comitê RockWalk na categoria principal “Músico”, reconhecido por sua grande contribuição à história do rockandroll nacional, passando assim a figurar entre os mais respeitados nomes do grandioso acervo da música brasileira.

A Cerimônia de Captação acontece na cidade de Ribeirão Preto SP, no dia 10 de junho de 2010, onde a equipe Rockwalk Brasil® recebe o artista para sua inclusão oficial na “Calçada da Fama do Rock”.

 

Milton do Nascimento (Rio de Janeiro, 26 de outubro de 1942), cantor, compositor e multi-instrumentista brasileiro, reconhecido mundialmente como um dos mais influentes e talentosos músicos da Música Popular Brasileira, carioca, mas, mineiro de coração, torna-se conhecido nacionalmente ao chegar na segunda posição do “Festival Internacional da Canção, de 1967”, com a canção "Travessia", de sua autoria e Fernando Brant.

Ao longo de sua fantástica carreira teria como parceiros e músicos que regravariam suas canções ícones internacionais como Wayne Shorter, Pat Metheny, Björk, Peter Gabriel, Sarah Vaughan, e outros nomes famosos como os brasileiros Chico Buarque, Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Fafá de Belém, Simone e Elis Regina.

Com 5 prêmios Grammy na bagagem e mais de 40 discos lançados, Milton já teria se apresentado nas Américas do Sul e Norte, Europa, Ásia e África.

 

Criado pela avó, seria adotado ainda criança por Lília e Josino Campos, ele dono de uma estação de rádio.

O apelido de "Bituca" ganharia ainda criança, por fazer um ‘bico’ quando estava contrariado, numa referência aos índios botocudos.

Influenciado pela mãe, Milton começa a gostar de música e dela ganha uma sanfona de dois baixos, e logo também viria a cantar no conjunto Continental de “Duilio Tiso Cougo”, grupo musical de baile de Três Pontas.

Milton casa-se no Rio, em 1968, mas, a separação vem após um mês de casamento.

Milton adotaria seu único filho Augusto Kesrouani Nascimento.

Em 1962 grava sua primeira canção "Barulho de Trem", e em 1966 escreve em parceria com César Roldão Vieira as canções "Viagem ao Faz de Conta" de “Walter Quaglia”; mas seria somente no ano seguinte que Milton Nascimento, junto com o Tamba Trio, gravaria seu primeiro disco 'Travessia'.

No final dos anos 60 Milton grava o LP “Courage” nos Estados Unidos, e no início de 70 realiza temporadas no Rio de Janeiro e em São Paulo com o conjunto “Som Imaginário”. Nesse período Milton lançaria "Para Lennon e McCartney", em parceria com Fernando Brant, Márcio Borges e Lo Borges, que logo fundam o “Clube da Esquina”.

Na pensão onde vai morar na capital mineira, Milton conhece os irmãos Borges, e os encontros acontecem na esquina das ruas Divinópolis com Paraisópolis, no tradicional bairro belorizontino de Santa Tereza, onde as primeiras canções "Cravo e Canela", "Alunar", "Para Lennon e McCartney", "Trem Azul", "Nada Será Como Antes", "Estrelas", "São Vicente" e "Cais". Logo juntam-se ao grupo Tavinho Moura, Flavio Venturini, Beto Guedes, Fernando Brant e Toninho Horta. Em 1972 a EMI grava o primeiro LP duplo “Clube da esquina”.

 

Milton Nascimento coleciona pérolas como "Maria Maria" (1978, com Fernando Brant), e "Coração de Estudante" (Wagner Tiso), hino das ‘Diretas Já’. Outro ‘hino’ seria "Canção da América", tema de fundo dos funerais de Ayrton Senna em 1994.

Elis Regina, "a grande musa inspiradora", ganha inúmeras canções compostas por Milton, e sua filha Maria Rita teria sua carreira apadrinhada por ele também.

 

No pós-ditadura, participa em 1985 do “Nordeste Já”, versão brasileira do “USA for Africa”, com as canções "Chega de Mágoa" e "Seca D'água".

Em 2010 Milton Nascimento é o homenageado do Festival Internacional de Corais (FIC) de Belo Horizonte. Neste mesmo ano, o cantor, que também é padrinho da banda Roupa Nova, seria homenageado por eles numa participação especial no CD/DVD ao vivo da banda na faixa "Nos Bailes da Vida", de Milton, como agradecimento pelo apoio nesses 30 anos de carreira.

 

O diretor Marcelo Flores produz um filme celebrando os 50 anos de carreira do cantor “Milton - A Voz”, um mix de documentário e ficção, onde o músico Fabrício Boliveira interpreta o artista.

E pra fechar 2010 com chave de ouro, também seria incluído na Rockwalk Brasil®, a “Calçada da Fama do Rock”.

Em 2015 é o homenageado do ano pela Berklee College of Music na formatura dos graduandos e recebe o título de ‘Doutor Honoris Causa’ da Instituição, por sua vasta contribuição à música.

A Escola de Samba ‘Tom Maior’ traz Milton Nascimento em seu enredo 2016 com o tema “Travessias de Milton Nascimento”.

 

"Milton Nascimento é um milagre, o que não se o que é ou de onde vem. Milton é um milagre porque a gente não consegue explicar".

Esta frase teria sido dita por João Bosco no palco da Casa UBC em 15 de outubro de 2019, durante premiação que laureou o compositor – de origem carioca e alma musical mineira – com o “Prêmio UBC 2019” pelo conjunto da obra em cerimônia no Rio de Janeiro.

milton-web1.jpg

CATEGORIA

‘IN MEMORIAN’

ordem alfabética

André Matos

Antonio Marcos

Banda The Jet Blacks

Big Boy

Bolão e Seus Rockettes

Carlos Alberto Belmont

Carlos Imperial

Cassia Eller

Cazuza

Celly Campello

Chico Science

Dino

Dom & Ravel

Dori Edson

Ed Wilson

Eddy Teddy

Geraldo Brandão

Henrique Bartsch

Itamar Assumpção

Jessé

João Augusto

José Ricardo

Júlio Barroso

Luizinho & seus Dinamites

Mamonas Assassinas

Manito

Marcelo Fromer

Meire Pavão

Mingo

Nora Ney

Paul de Castro

Paulo Henrique

Pedrinho Batera

Pedro Gil

Raul Seixas

Renato Russo

Rodrigo Netto

Rogério Duprat

Ronnie Cord

Rossini Pinto

Sérgio Murilo

Sergio Sampaio

Silvinha Araújo

Teddy Milton

Terry Winter

Tico Terpins

Tim Maia

Torquato Neto

Waldir Anunciação

Wander Taffo

Zé Rodrix

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon

© 2008 by MMP ROCK Business. All Rights reserved ®